terça-feira, dezembro 27, 2005

Estupidez ou ignorancia

Desta vez decidi escrever um texto ao invés de escrever um poema ou algo do género.

É incrível as coisas que vejo na rua á medida que deambulo, sempre que venho da faculdade em Aveiro, ou quando passeio pela noite de Leiria, como é possível existir tanta ignorância, senão vejamos, já perdi a conta dos casais de namorados que discutem por coisas ridículas, merdices que não interessam a ninguém, e pergunto-me, se será que não vêem o que estão a fazer, ou melhor, será que ainda não deram o devido valor ao que têm á frente? Muitas das vezes, a separação de namorados é porque simplesmente não deram o devido valor que deviam ao parceiro, e que simplesmente namoram, porque é fixe ou porque é agradável e acabam por nunca dar o devido valor ao amor que o parceiro(a) entrega. Caem constantemente no ridículo, devido á imaturidade das suas acções, seja fazendo algo ridículo ou não prestando atenção á pessoa que lhe dá o amor que tão importante é, e muitas das vezes fazendo sofrer quem ama, fazendo chorar, gritar na solidão da vida, tudo porque não deram a devia atenção. Não é preciso muito, basta um pouco de carinho, um passeio no parque, um momento de carinho e de amor no banco de um jardim, no muro de uma colina enquanto se passeia pelo meio da natureza, não é complicado, mas mesmo assim, nem isto conseguem dar…

Isto deveras dá que pensar, pois sendo as crianças que são, como podem sequer compreender o amor? Como podem mentir dizendo que percebem, quando na realidade a única coisa que sentem é uma atracão física, uma química que mais cedo ou mais tarde acaba, uma paixão que vem e que depois desaparece… No meu entender, o amor é preocupação, é querer estar ao lado da pessoa que se ama, é querer dar carinho, beijos, mimos, fazer pequenas festas na cara, mesmo sabendo que poderá não se receber algo, é preocupação com os sentimentos, saber olhar para a cara e saber o que fazer pela reacção dos olhos. Pergunto-me quantas pessoas são capazes disto, quando a maior parte das vezes só querem divertir-se, e acabam a brincar com o coração da pessoa, ou pior, dizem gostar quando na realidade só querem ter alguém ao lado, para mostrar aos outros que têm acabando por magoar os sentimentos de quem ama, fazendo sofrer chorar, destruir até a vida e depois dizendo estupidamente ao ouvido baixo, “é a vida” como se nunca quisessem saber.

Só digo mais isto, ganhem dois dedos de testa, meio quilo de maturidade e para acabar, uns óculos com uma graduação decente, para poderem dar o real valor ao que têm á frente e deixarem de ser miúdos e de viver em mundos de sonho, pois quem está á nossa frente, precisa do nosso amor, não precisa de uma mentira.

Não façam sofrer quem vos ama, façam sorrir de felicidade.

Carlos Miguel 27/12/05

quarta-feira, novembro 02, 2005

Para te alegrar um pouco meu doce :)

Eu conheço uma fofinha
Ela chama-se Mafalda
Ela é muito simpática
E também muito educada

Quando se enerva
Fica muito irritada
Fica muito vermelha
Fica muito engraçada

Quando está calma
Tem uma cara rosada
Ela já por si é linda
Nem precisa de ser maquilhada

Ela é muito inteligente
Está quase a acabar o curso
De mim, o melhor é nem falar
Porque sou mesmo um grande urso

Há dias em que anda cansada
Outros dias em que é preguiçosa
Mas isso não me interessa nada
Porque não deixa de ser amorosa

É um bocadinho ingénua
Mas muito preocupada
Preocupa-se muito comigo
Ou não fosse ela, a minha adorada

É um mesito mais nova do que eu
Mas não deixa de ser matura
Tem força para me chamar à atenção
Mas sempre com imensa ternura

Ela adora ler os meus textos
Então deste, certamente irá gostar
Vai provavelmente, ficar corada
E de sorriso na cara, irá ficar

Que grande está este texto
Razões não me faltam para a descrever
Mas com o meu coração
Sempre, a irei ver

Muito mais, da minha fofinha
Poderia falar
Mas nem todo o papel do mundo
Chegaria para me expressar

Está a ficar tarde
Está na hora de me despedir
Mas nunca te direi adeus
Pois de ao pé de ti, nunca irei partir

Nanar e sonhar juntos
Com muitos beijinhos e abracinhos
Com muitas estrelas e sob a luz da lua
São assim os nossos sonhinhos.

Para a minha fofinha de quem tanto gosto :)

sexta-feira, outubro 28, 2005

Distancia

Distância, palavra amarga,
Palavra que não me deixa tocar-te,
Palavra que não me deixa abraçar-te,
Palavra que não me deixa ver-te,
Mas... Apesar de tudo, sinto-te
Pressinto a tua presença á minha volta
Estou contigo nos nossos sonhos
Caminhando por entre as estrelas sob a luz da lua
Mas... Quando acordo, a distância impõem-se outra vez
Como se fosse algo que não nos quer ver juntos
Tentando a cada dia que nasce,
Afastar os nossos sentimentos
Apesar de todos os seus maiores esforços
Continuo a pressentir a tua presença
Continuo a sentir os teus pensamentos
E todos os dias, adormeço com um pequeno sorriso
Sabendo que vou mais uma vez, vamos estar juntos
Pela noite dentro, pelos nossos sonhos
Teremos um pouco de felicidade,
Mas tudo tem um preço,
Será a distancia que ao acordar,
Irá decerto cobrar essa dívida.

quarta-feira, outubro 05, 2005

Nunca é mais do que isto...

Por mais que tente
Por mais que observe
Por mais que espere
Acabo sempre por ver o mesmo
A realidade como ela realmente é

Terei sido abençoado, ou simplesmente amaldiçoado
Por mais que tente esconder
Por mais que tente beber
Por mais que tente fugir de ver
A verdade está sempre na minha frente

Abro a minha janela, que vejo eu
Nada, simplesmente nada
Apenas uma sociedade denegriram, corrupta e podre
Que de pouco ou até mesmo nada tem de bom para oferecer

Em nada me encaixo nessa sociedade
Tento sempre procurar um pequeno refugio
Tento sempre procurar um grupo
Mas por mais que procure, em nenhum me encaixo
Existe sempre algo, algo que deita tudo abaixo
Existe sempre algo, algo que nunca me aceita
Existe sempre algo, algo que em mim tudo rejeita

Só queria estar no meu último refúgio da felicidade
Mas até esse parece ser um refúgio inatingível
Como eu queria estar aí...

quinta-feira, setembro 29, 2005

Sempre o destino...



Que queres tu mais oh destino?

Tu que afastas de mim, kem me faz feliz
Tu que geras a confusão, a duvida, a incerteza
Tu que afrontas o coração de kem me adora
Tu que me afundas em decepções, lagrimas e tristezas

Tu que me destróis dia após dia,
Merda, deixa-me em paz, não kero nada contigo
Desaparece, estou farto de ti, deixa-me viver Deixa-me ser feliz,
Deixa de destruir a vida de quem gosta de mim
Não penses ke me levas a minha vida,

Pois antes de a levares, já eu a tirei

Não me deixarei vencer,

Não me vou vergar perante o teu poder,
Não deixarei ke controles a minha vida

Não te vou deixar levar a minha vida...

sexta-feira, setembro 23, 2005

Chama Reacendida


Caminhava eu pelo fundo do abismo, no meio da escuridão tendo apenas como companheiro, a solidão da vida, divagando sem curso, sem destino, sem um fim definido, esperando, sempre esperando, e tu viste-me, aproximaste-te, envolveste-te, tocaste-me, e quiseste estar comigo, não tiveste medo, puxaste-me para fora deste abismo, deste-me esperança, força de vida, um destino, algo que fizesse sentido neste mundo de doidos, neste mundo de incompreensão. Agora, de uma lareira apagada, limpas-te as cinzas, deste-me a madeira da vida, e com um pequeno beijo, geraste fogo, e com isto a lareira arde outra vez, aquecendo os nossos espíritos, as nossas almas, criando laços de carinho, e quem sabe, talvez até mais… A distancia pode ser longa, podemos estar separados, mas sei que no fundo estamos juntos, sem desconfianças, apenas com o medo das partidas do destino, contra o qual lutamos desesperadamente por um pequeno gole de felicidade, de vida, pois sem a felicidade, não existe razão para a vida, não existe nada. Por isso, lutemos juntos por nós meu anjo, sem medos, sem pessimismos, pois ambos queremos ser felizes.

sábado, setembro 03, 2005

Saudade


Existem certas coisas da vida das quais não nos esquecemos, pequenos pedaços na memória que gostaríamos de ver repetidos, pequenas sensações, momentos, sentimentos que nos fazem tanta falta para alegrar o nosso dia, pequenas rotinas que nos faziam dar mais um passo na vida, sinto falta de muitas dessas coisas, pequenas passagens da nossa vida que poderemos nunca mais voltar a sentir. Não sei se alguma vez voltarei a sentir esses momentos, gosto de pensar que sim, mas cada vez que o faço, a racionalidade da vida mostra-me como impossível isso poderá ser, e assim acabo no sofrimento da vida, relembrando aqueles pequenos momentos, de que sinto falta, pois só quem já sentiu, certos momentos a vida, sabe que muitas das vezes é o dar algo e não o receber, que nos faz mais falta, é o sentir que alguém quer partilhar estes momentos connosco, querer também ter algo a ver connosco, poder viver connosco momentos da nossa vida.

É disto que mais sinto saudades…

segunda-feira, agosto 29, 2005

Irresponsabilidade



Dizes que queres liberdade
Dizes que queres viver
Dizes que queres diversão
Dizes que queres brincar
Dizes que queres companhia

Mas será que sabes o que isso implica ?
Com a liberdade vem a responsabilidade

E agora ?
Agora que tens liberdade
Foges dessa responsabilidade
Agora que vives,
Foges das responsabilidades da vida
Agora que te divertes
Foges do equilibrio
Agora que brincas
Foges do coração com que brincas
Agora que tens companhia
Foges deixando-a em terra

Queres tudo, mas no entanto, nada aceitas
Queres tudo, mas o tudo, rejeitas
Queres tudo, mas foges da vida
Queres tudo, mas não sabes o que isso implica...

Se queres ser tratado como adulto, comporta-te ao nivel dele,
Pois tudo o que queres tem um preço,
Então lembra-te que se quizeres a tua liberdade,
Prepara-te para pagares o preço da responsabilidade.



Carlos Miguel Ferreira 16/08/05

domingo, agosto 28, 2005

E é assim...


Tentamos
Tentamos viver
Tentamos lutar
Tentamos todos os possiveis para sermos felizes

O que acontece depois ?
O destino aparece, corta-nos as pernas
Entraga-nos na cara um NÃO frio
Despeja-nos o balde de agua fria
E deixa-nos ao frio do sofrimento
Abandona-nos, a congelar pela noite eterna
Noite que não acaba, escuridao tenebrosa
Escuridão que me envolve, sufoca, mas não me mata
Não me quer matar, quer-me simplesmente ver sofrer
Goza com o meu sofrimento, alimenta-se dele,
Alimenta-nos com falsas esperanças, para mais tarde
Colher os seus frutos de sofrimento,
Beber a agua das minhas lagrimas
Beber o sangue do meu coração,
Deixando-me num estado, em que nem estou vivo, nem estou morto
Entrega-me à podridão deste mundo,
Deixando-me a deambular pelas avenidas da vida,
Caminhando ao meu lado, com a sua foice,
Esperando o proximo grito, as proximas lagrimas
Sempre sedento, insaciavel, obcecado.

Não vivo, não morro, antes pior, sofro
Sofro de algo que nem o tempo cura
Sofro de algo que poucos entendem
Sofro de algo que nao se vê
Algo que arde sem chama...