terça-feira, abril 25, 2006

Acelerado



Estou acelerado,

Stressado,
Pego na minha caneta
Bato com ela na mesa
Faço barulho
Tudo para quebrar o silêncio
A monotonia,
Destruir esta sinfonia
Que me toca aos ouvidos continuamente
Marcando o passo monótono da minha vida
Quero destruir,
Quero me libertar
Quero viver
Ao som da máquina descontrolada
Sem ritmo marcado
Sem momento controlado
Totalmente sem sentido
Sinto-me preso,
Correntes invisíveis
Prisão do pensamento
Incapaz de imaginar
Incapaz de sonhar
E com tudo isto grito
Faço as fundações do meu sonho tremer
Tudo isto, porque
quero apenas... viver…

segunda-feira, abril 10, 2006

Mar do Pensamento


Mar do pensamento
Oceano de força imensa
Ora vives na calma da preia-mar
Ora revoltas-te na destruição da maré-cheia
Tu vives dentro de mim
Incertas, inquietas
São as ondas que te acompanham
No turbilhão da existência humana
Na confusão dos sentimentos
Afundas tudo, afundas-te a ti próprio
Mas sempre para voltar
Para em todas as praias do pensamento, caminhar
Para que eu possa sonhar
Para que eu possa navegar, sem nunca me afundar
Criamos a confiança
Geramos o respeito
Moldamos o mundo
Tu pelas ondas, eu pelas palavras
Navegamos o pensamento
Vivemos o momento
Construímos o sentimento
Sofremos neste relacionamento
Mas espero eu, que sejamos felizes


Espero um dia poder caminhar pela praia contigo meu amor…