segunda-feira, fevereiro 19, 2007

Merda para isto...

Egoísmo
Estupidez
Maldade
Ignorância
...
São só algumas das coisas que me têm dado trabalho nos últimos tempos...
Já ninguém tenta sequer fazer algo por bem, parece que o mundo desistiu de tentar ser bom, são poucos os que tentam sequer fazer algo sem esperar nada em troca, só querem dinheiro e fama, andar a passear pela rua vestidos na sua roupa cara com os seus relógios e telemóveis de ultima geração, onde gastam o seu dinheiro a mandar mensagens idiotas combinando saídas que acabam no degredo de uma sarjeta com os dedos nas goelas a tentar vomitar o álcool que diziam conseguir aguentar, ou pior ainda, acabam no quarto de alguém a tentar fazer algo que nem entendem bem o que é, chamando a isso amor... Estupidez, ignorância enfim... cenas ridículas de uma sociedade que já não vive... sobrevive no seu antro de ideais cujo base assenta no engano, na mentira e na tristeza de toda uma vida de engano próprio. Comem e são comidos, enganam e são enganados e vivem neste círculo medíocre de vícios, cujo fim não existe e que do qual estão tão habituados que já nem querem outra coisa. As pessoas enganam-se a si próprias, nem se podem ver ao espelho sem serem maquilhadas ou bem arranjadas, simplesmente para não verem a verdade como ela é... A verdade é que não passam de infelizes, miseráveis e mesquinhas e que daí nunca irão passar e sabendo esta verdade, arruínam a vida das outras pessoas, destroem tudo o que há de bom devido a terem inveja e saberem que nunca irão sair da sarjeta de onde existem, a mesma sarjeta que terminam o dia e onde vão cair mortas um dia...
Estarei a ser cruel com estas palavras?
Não mais cruel sou do que todos os que mancham o significado das palavras mais importantes da vida, como a fé, o amor, a esperança, a amizade... Esses sim são os verdadeiros cruéis da vida, que dizem saber a verdade das verdades e que na realidade a única tristeza que sentem é quando encontram o fundo de uma garrafa de cerveja... foda-se para todos eles, que se enterrem bem fundo nos vícios de uma vida que lhes irá cavar um tumulo bem fundo, tão fundo que quem atirar terra nem vai conseguir ouvir os seus gritos...

Serei cruel? Ou estarei apenas a ser verdadeiro? Será que ao ser verdadeiro, estarei a ser cruel? Não sei... mas também, já não quero saber...